Alienação Parental ,uma forma de violência e abuso à criança e ao adolescente,com sérias e inevitáveis consequên

Data de Publicação: 22/05/18


A alienação parental é regulada pela Lei n.º 12.318/2010. Além da previsão legal, a proibição quanto à alienação parental tem fundamento constitucional no princípio da paternidade responsável (art. 226§ 7º da CF/88).

Conceito: Encontra-se previsto na Lei n.º 12.318/2010, em seu art. :

Art. 2º Considera-se ato de alienação parental a interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente promovida ou induzida por um dos genitores, pelos avós ou pelos que tenham a criança ou adolescente sob a sua autoridade, guarda ou vigilância para que repudie genitor ou que cause prejuízo ao estabelecimento ou à manutenção de vínculos com este

alienação parental é o processo e o resultado da manipulação psicológica de uma criança em mostrar medo, desrespeito ou hostilidade injustificados em relação ao pai ou mãe e/ou a outros membros da família. Trata-se de uma forma distinta e generalizada de abuso psicológico e violência familiar - tanto para a criança quanto para os familiares rejeitados - que ocorre quase exclusivamente em associação com a separação ou o divórcio (especialmente quando há ações legais) e que prejudica ambos os princípios fundamentais tanto da Declaração Universal dos Direitos Humanos quanto da Convenção internacional sobre os direitos da criança. Mais comumente, a causa principal é um dos pais que deseja excluir o outro da vida de seu filho, mas outros membros da família ou amigos, bem como profissionais envolvidos com a família (incluindo psicólogos, advogados e juízes) podem contribuir no processo. Muitas vezes leva ao distanciamento a longo prazo, ou mesmo permanente, de uma criança de um dos pais e outros membros da família e, como uma experiência particularmente adversa na infância, resulta em riscos significativamente aumentados de doenças mentais e físicas para as crianças.

Objetivo Principal:

É mostrar que a Alienação Parental constitui uma forma de violência e abuso à criança e ao adolescente com sérias e inevitáveis consequências psicológicas, e a partir daí trazer sérios problemas a sociedade em geral e não só ao genitor que sofre com a Alienação Parental, qual objetivo principal, é a exclusão do genitor da vida do filho (a) comum.

Como mostrado acima o objetivo principal da Alienação Parental é a exclusão do genitor (a) da vida do filho (a) comum, o que as pessoas que praticam esse ato não sabem, é à consequência psicológica irreparável que poderá trazer, para a vida da criança ou adolescente em sua vida posterior, acarretando sérios problemas para sua vida em sociedade.

A Alienação Parental Constitui uma forma de abuso com sérias e irreparáveis consequências psicológicas à criança ou adolescente com diferentes graus de depressão crônica , incapacidade de adaptação em ambientes, transtornos de identidade, entre outros, chegando à grave inclinação ao uso de álcool e drogas, por nutrir no íntimo da vítima sentimentos de rejeição e culpa, a partir daí acarretando consequências severas para sua vida comum e em sociedade.

Em estudo, causa inúmeras consequências para a criança ou adolescente alienada, principalmente psicológicos e pode provocar problemas psiquiátricos para o resto da vida. Como sintomas, pode-se destacar depressão crônica, incapacidade de adaptação em ambiente psicossocial normal (sociedade), transtornos de identidade e imagem, desespero, sentimento incontrolável de culpa, sentimento de isolamento, comportamento hostil, falta de organização, dupla personalidade e às vezes suicídio (DIAS, 2011, pg. 460).

Constituindo, por parte de quem os pratica uma forma de violência e abuso á criança e ao adolescente.

Fonte: https://alexandrepontes690.jusbrasil.com.br/artigos/580380631/alienacao-parental-uma-forma-de-violencia-e-abuso-a-crianca-e-ao-adolescente-com-serias-e-inevitaveis-consequencias

 


Comentários